quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

LÊ-TE A TI MESMO




LÊ-TE A TI MESMO

Onde vais tu? Esbelto espírito criado do barro vermelho,
Soprado com aquele vento que sopra onde quer,
A imagem e perfeição de um mágico espelho,
Dividido em suas equações, em homem e mulher.

Onde escondes a morte que caminha ao teu lado?
Te afagando carinhosamente entre os suspiros do coração,
Jamais o horizonte a ti será revelado,
As tintas e as cores estendem a ilusão.

Leia aquilo que foi escrito em tua alma,
Quando querias criar algo além da lenda,
Palavras guardadas nas linhas desenhadas com calma,
O verbo que cria e tece, teias de renda.

Onde vais tu? Esbelto espírito batizado de luz dourada,
Ungido pelo coração puro que busca a união, o amor,
Buscando sua parte escondida, sua alma adorada,
Leia nas entrelinhas a voz do silêncio aliviando a dor.

Elder Prior.

5 comentários:

  1. "Agora, vemos como em espelho"; eis que o dia se aproxima, quando conheceremos como somos conhecidos...
    Grande abraço, Elder!

    ResponderExcluir
  2. Esta é a admirável revelação: o infinito mistérios de nos depararmos nós, cada qual, consigo mesmo

    ResponderExcluir
  3. " A poesia é uma dádiva da alma , vivemos nela nossos sonhos e verdades ... Com amor e muito carinho

    ResponderExcluir