quinta-feira, 11 de junho de 2015

TELÉSFORO




TELÉSFORO


Grande Prometeu, que traz a lamparina mágica,
Obedecendo a liberdade em consequência trágica,
Um Vulcano que tenta artimanhas mentais,
Porque a liberdade se alimenta do que faz.
 
O fogo se decompõe no ar para formar a água,
A humanidade une razão e sabedoria para criar a mágoa,
E na gestação a dor do parto se torna alegria e lágrima,
O amor das mulheres que a musa rima.
 
Na nona hora um último suspiro foi dado,
E numa cama de ferro, gigante de nove côvados,
Nove musas são as filhas de Zeus,
Nove vezes na Terra desceu Deus.
 
Nove entraram vivos nos céus,
Nos mistérios abrem-se nove véus,
Aquele que encontra sabe que existe,
Aquele que duvida, na penumbra insiste.

Nenhum comentário:

Postar um comentário