segunda-feira, 15 de junho de 2015

ESPELHO MÁGICO




ESPELHO MÁGICO

Pelo espelho eu vejo, o passado e o futuro,
As coisas que deixei num beco escuro,
Pensamentos que eu tento concretizar,
Lá onde um dia ainda vou chegar.

Neste espelho vejo tudo o que quero ver,
A vida que se tornou uma triste saudade,
Ou aquela que só me trouxe felicidade,
Coisas que muitas vezes passam sem se perceber.

Seria um espelho mágico,
Se não fosse um tanto trágico,
De que adianta esta magia?
Neste mundo sem alegria!

Seria um bom espelho, se eu pudesse me ver,
Mas apenas vejo aquilo que eu não queria ser,
Nesta embalagem já desgastada pelo destino,
Me levando no fio da navalha, com seu corte muito fino.

Sangra-me em duas faces que se opõem,
Na distância que as imagens compõem,
Não há mais diferenças entre a mentira e o real,
Não há mais uma personalidade para ser leal.

Quem sabe quebrando o espelho em pedaços,
Quebre em mim a hipocrisia, os laços,
Que me prendem deste lado da realidade,
E eu mude de lado, para um mundo de felicidade.

Elder Prior.
 
 

 

sábado, 13 de junho de 2015

O SAL


                 
                                                                     MAR DE SAL - UYUNI - BOLÍVIA
                                                                      http://www.rutaverdebolivia.com
O SAL

A lágrima é um penar, o suor da alma,
Como um mar que mareja os olhos e acalma,
As ondas que se espalham dentro das emoções,
O sal do sangue que pulsa a vida nos corações.

Traz ao mundo a alquimia da criação,
Ao útero fértil o poder de uma paixão,
Um tacho de sortilégios, de feiticeiras apaixonadas,
Fervem a vida, cozendo a alma recém criada.

E o sal foi pisado, sobre as águas se andou,
Um deserto de sal no cume da montanha ficou,
Quem sabe um mar que mudou de lugar,
Ou, um dilúvio existiu, onde a água fez o mundo acabar.

Os homens em sua busca incansável,
Procurou reter a morte, devoradora insaciável,
Salgaram corpos para não se estragar,
Reis antigos tentaram a vida perpetuar.

Mas o sal pode perder seu valor,
E tornar-se insípido, sem sabor,
Perdendo de dentro de si, a vida,
Com uma lágrima, assinando a despedida.

Elder Prior.

quinta-feira, 11 de junho de 2015

TELÉSFORO




TELÉSFORO


Grande Prometeu, que traz a lamparina mágica,
Obedecendo a liberdade em consequência trágica,
Um Vulcano que tenta artimanhas mentais,
Porque a liberdade se alimenta do que faz.
 
O fogo se decompõe no ar para formar a água,
A humanidade une razão e sabedoria para criar a mágoa,
E na gestação a dor do parto se torna alegria e lágrima,
O amor das mulheres que a musa rima.
 
Na nona hora um último suspiro foi dado,
E numa cama de ferro, gigante de nove côvados,
Nove musas são as filhas de Zeus,
Nove vezes na Terra desceu Deus.
 
Nove entraram vivos nos céus,
Nos mistérios abrem-se nove véus,
Aquele que encontra sabe que existe,
Aquele que duvida, na penumbra insiste.

sexta-feira, 5 de junho de 2015

POÉTICA MUTAÇÃO - CONFLITO



CONFLITO

Eclodem lutas sangrentas entre a raça humana,
Que faz da sua delicadeza, uma atitude leviana,
Passa o tempo e parece que nada mudou,
As mesmas bandeiras, as mesmas armas, tudo ficou.

Talvez, por causa desta duplicidade cerebral,
Que mistura o anjo com uma parte animal,
Os conflitos se pesam dentro da consciência,
Os conflitos se ferem criando a falência.

Surgem heróis, mitos, grandes sábios, grandes mentes,
Que criam em benefício da humanidade e seus regentes,
Ideias novas que apaziguam a voracidade,
Criando um pouco de conforto e felicidade.

Surge malvados, sentimentos macabros, sementes do abismo,
Que criam sua regras, regendo tudo com cinismo,
Ideias do mal, que destroem a beleza,
Levando todos para o caminho da incerteza.

No final do tempo, termina o espaço,
As reticências querendo ser ponto, querendo se agrupar,
Os acentos se perdem num mundo escasso,
Onde o amor não se acentua, só se vê passar.



Elder Prior.