sexta-feira, 23 de outubro de 2015

CANÇÃO DE AMOR


http://immoklink.com/site/
FOTÓGRAFO: IMMO KLINK


CANÇÃO DE AMOR

Come sempre me esperava, na velha casinha da colina,
Banhava-se no riacho, desde quando era menina,
Espíritos da floresta vinham brincar com seus cabelos,
Entre todas as mulheres, a única que podia vê-los.

Contavam que a muito tempo, ali aconteceu,
De um sábio apaixonado, de triste adoeceu,
E ali deixou seu ouro, seu precioso coração,
Ficou por um amor, que lhe mostrou uma lição.

"Não ame procurando pessoas perfeitas,
Pois nem mesmo uma reta pode ser direita,
E tudo se curva diante do amor verdadeiro,
O olho só se abre depois de enxergar algo inteiro".

Voltou para casa, se vestiu de flores e ficou a esperar,
Abri a porta, recebi um sorriso e um belo jantar,
Brindamos o nosso amor, com o leve sussurro da madrugada,
Somos perfeitos enquanto vivemos mais uma noite encantada.

Volto ao meu caminho pelo mundo das canções,
Levando por onde passo, a felicidade, as emoções,
E lá estará a bela morena de cabelos cacheados,
Me esperando com seu sorrido, para outra noite ao meu lado.

Elder Prior.

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

O MENESTREL

http://images.orkut.com/orkut/photos/OgAAAO8XoEdw0y0QXoQcuCEtUgxslgyTX3-tbfsCPKOcyM7r4oogX-vOxIHsUMeK3b00dwHRvAGrflvZj49ePOVS5QcAm1T1UN_c_eTp8buIaQmbLvoQ424vIzX7.jpg


O MENESTREL

Andando pelos bosques, sentindo o cheiros das flores,
Ao som de bandolins, flautas para meus amores,
Nas sombras dos carvalhos, esperar pelo orvalho,
Numa fogueira se esquentar, usar o fogo como agasalho.

Caminhante sem rumo, o meu destino é uma canção,
Que toco numa flauta, que toca seu coração,
Borboletas rodeiam as cores, abelhas retiram o mel,
Girando no meio da relva, num imaginário carrocel.

Sou um Menestrel encantado, tenho a natureza ao meu lado,
Um bardo cantante levando, minha canção ao seu reinado,
Em seu mundo que escondes, seu pequeno reino encantado,
Onde a magia nunca acabou, um espírito criança desejado.

Todos ainda tem dentro de si um lado infância,
Que ficou perdido nos perversos laços da ignorância,
Se tornando um adulto que se esqueceu de brincar,
Esquecendo, na verdade, como é simples amar.

Sou um Menestrel que veio ao seu ouvido cantar,
Um bardo feliz, para teu coração encantar,
A música nunca pode parar de tocar,
As flores devem estar abertas quando a manhã chegar.

Elder Prior

sábado, 10 de outubro de 2015

COGUMELO MÁGICO

http://lh4.ggpht.com/_lcSuAYr9RWo/Tcvj9RbHJaI/AAAAAAAAZD4/PbA6NH0Ia7M/testes%20nucleares%20ilha_thumb%5B2%5D.jpg?imgmax=800


COGUMELO MÁGICO

A ciência criou em seus laboratórios, um cogumelo,
De longe tão terrível, que de feio se tornou belo,
Mas abriu um outro mundo com suas explosões,
Mundos escondidos em suas diversas radiações.

O deus Marte vive esta criação com sede do poder,
Espíritos antigos foram acordados no alvorecer,
Vieram então, ideias que mudaram a humanidade,
Trocando moral por vícios, sabedoria por insanidade.

E os loucos continuam seguindo o deus da crueldade,
Gastando sua alquimia em benefício da maldade,
A loucura aumenta e os lucros se acumulam,
As mídias mentem, e os mudos se acomodam.

Vendo o que o Cogumelo conseguiu fazer,
Seus efeitos ainda fazem muita gente perecer,
E os demônios que foram libertos jamais serão sepultados,
Porque, por toda Terra, são ainda condecorados.

O gigante mágico continua andando entre os povos,
Entrando na mente ignorante, ambiciosos novos,
O que será do mundo quando o louco comer o cogumelo?
Querer, em sua loucura, sair de sua redoma, do seu castelo?

Verá que será tarde para ter o que lhe resta,
Porque o cogumelo de Marte já fez sua festa,
E a Terra se tornará Marte, inóspita e fria,
Vítima de uma humanidade que jaz, de alma vazia.

Elder Prior.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

AURORA

http://7-themes.com/data_images/out/56/6963284-lost-aurora.jpg


AURORA

O mundo se dividiu em ricos e pobres,
Transformando pessoas em medíocres e nobres,
Um equador que corta em sul e norte,
Dividindo a piedade e a própria sorte.

Prepare-se para o Equinócio,
Alguns trabalhando, outros no ócio,
Lembrando das velhas histórias cansadas,
Faladas e presas, por mentes escravizadas.

Talvez é hora de se transformar,
Independente de cor, raça, religião ou lugar,
Pena que a humanidade depende tanto de rótulos,
Engarrafados em suas mentes, presos em gomos ou nódulos.

A Primavera aponta para algo escondido,
Talvez um campo árido ou um campo florido,
Depende muito do que queremos criar,
Abrir as garrafas e seus rótulos despedaçar.

Quem sabe um dia seremos um todo, uma comunidade?
Seres dignos de serem chamados de humanidade,
Que se envergonhe das obras mesquinhas deixadas para trás,
Viver sem fronteiras, seguindo uma só bandeira escrito PAZ!

Elder Prior.

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

O PRISMA



http://www.infoescola.com/wp-content/uploads/2007/12/dispersao-da-luz.jpg


O PRISMA

Sinto algo em minha alma penetrar,
Uma felicidade que não quer soltar,
Meu corpos separados querem se unir,
Esperando a luz que está por vir.

E muitos chamam de nomes diferentes,
Que causam lutas, mas também, rostos sorridentes,
Ideias diferentes para coisas iguais,
Na mente dos que querem sempre mais.

Olho a cruz pendurada na parede,
Penso no povo do deserto, o coração com sede,
A estrela de Davi se dividiu,
E os irmãos se separaram, a guerra os uniu.

Um indiano subiu os belos montes nevados,
Na escada do céu, monges foram gerados,
Em sua terra, o menino azul é procurado,
Mas no mundo todo o amor é celebrado.

"Não existe religião superior à verdade",
Dizia uma certa senhora, em sua humildade,
Mas parece que as pessoas não conseguem entender,
Que esta luz tem várias cores, para que todos possam ver,
A maioria se prende em sua visão sem cor,
E por causa desta atitude, criam um mundo de dor.

Elder Prior.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

A FEITICEIRA E O REI

http://kdfrases.com/frases-imagens/frase-conhece-te-a-ti-mesmo-e-conheceras-o-universo-e-os-deuses-socrates-116060.jpg


A FEITICEIRA E O REI

Havia um rei muito invocado,
Pelos pensamentos, desesperado,
Temia a morte, mas não temia invocar,
Com a necromancia resolveu se ligar.

Ela lhe deu um poder esquecido,
Que pelos antigos, fora banido,
E ele pediu que se abrisse a barreira,
Entre a morte e uma feiticeira.

O tempo passou, o que abriu nunca fechou,
Outros passaram pelo caminho, até que um encantou,
E as palavras abriram novas descobertas,
Outras portas incríveis foram abertas.

O mundo foi mudando com seu feito,
Nem fogueiras das inquisições deram jeito,
O feitiço virou contra o rei desavisado,
"Conhece-te a ti mesmo", diz o velho ditado.

Tudo se transformou numa busca por prazer,
"Faça o que tu queres", o lema é querer sem saber,
Que o amor só é grande quando vence a si mesmo,
Do contrário, caminhará sempre a esmo.

Indo novamente consultar a feiticeira,
Que lhe dará uma notícia ligeira,
Do que gostaria de ouvir em seu reinado barato,
Misturado na loucura, entre o gato e o rato.

Elder Prior


sexta-feira, 21 de agosto de 2015

RODA DO DESTINO

http://katyb.com.br/wp-content/uploads/2014/05/amor52.jpg


RODA DO DESTINO

A mesma forma de pensar, sem mudar,
O mesmo caminho a caminhar,
E tudo em revisão do nada que fiz,
Nesta minha vida que se serve de nutriz.

O ciclo do destino selou minha boca,
Esvaziando enquanto preenche minha cabeça oca,
E tudo tão rotineiro, tão igual,
Sem nada acrescentar para o mundo atual.

Sabendo que é difícil lutar contra o labirinto,
Com as causas tolas que mudam o que sinto,
Se perdendo no meio de tantos pesadelos,
Que só agora percebi, como é difícil vê-los.

Mas a mudança faz parte da vida, 
Talvez um jogo, a minha brincadeira preferida,
Sem nunca perder o caminho da batalha,
Andando no estreito trajeto do fio da navalha.

A vontade me diz que algo novo existirá,
E que meus anseios a visão enxergará,
Novos caminhos para a beleza do olhar,
Um caminho que mostra como é bom amar.

Lá, no horizonte, vejo mudanças boas na vida,
Daqueles que procuram a verdade que está esquecida,
Vejo um futuro, uma grande mudança,
Enchendo as pessoas com mais esperança.

Elder Prior

domingo, 16 de agosto de 2015

POESIA FEITA MULHER


http://www.verdor.org/imagens/textos/cigana.jpg

POESIA FEITA MULHER

Eu faço esta canção, pra você dançar,
Eu toco esta melodia, pra você cantar,
Eu entro em seu silêncio, com minha poesia,
Te vejo com seus encantos, um sorriso de alegria.

Acendo outra fogueira, pra te esquentar,
Uma canção ao seu ouvido, pra te acalentar,
Dançando em torno da fogueira toda enfeitada,
Com flores do tempo e sua saia rodada.

Sumiram as outras pessoas neste momento só nosso,
Se tu quiseres eu quero, se tu puderes eu posso,
E na magia que cresce, preparando a noite de lua,
Vamos sair, deixar esta movimentada rua.

Acendo em casa a lareira, pra te amar,
Uma carícia em seus cabelos pra te encontrar,
Te amando no chão, sentindo sua pele delicada,
Um tapete voador nos leva pela noite encantada.

Eis que chega o outro dia e ainda estás aqui,
Por tantos caminhos que passei, que fui, que percorri,
Cheguei a uma estrada que me levou a ti,
Entre todas as mulheres, igual jamais nunca vi.

Por isso, decidi ficar.

Elder Prior.


terça-feira, 11 de agosto de 2015

TOCANDO A HARPA DE OURO

https://rceliamendonca.files.wordpress.com/2013/07/harp-audition-moritz-von-schwind.jpg

TOCANDO A HARPA DE OURO

Os cristais tocam a música soprada pelo vento,
Escalas, ritmos, músicas em nascimento,
Na porta do destino, notas, divinos arpejos,
Lá dentro, tocando a harpa de ouro, os desejos.

Nem sempre se ouve os sons dourados,
Exigem muita paciência,  ouvidos treinados,
A virgem ouve a pureza do poema,
Entre os dedos ágeis, decifrando o problema.

As águas embalam o sono da floresta,
Enquanto a Lua cheia prepara a festa,
A fogueira se acende na saliva noturna,
Velhas senhoras retiram a candeia da urna.

Jovens belos, surgem nas penumbras da mata,
O amor, o desejo, no tocar da música desata,
A inocência caminha com seus pés suaves,
Onde a nudez é liberdade, não está entre pecados graves.

O que aconteceu com a harpa da harmonia?
A humanidade, um mundo, talvez algum dia,
Todos seremos livres para sermos humanos,
Onde as diferenças do genital não nos cause danos,
E jamais teremos vergonha do que somos,
Nus, nós, Adão e Eva novamente, somamos.

Elder Prior.

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

A POÉTICA MUTAÇÃO - IRROMPER

http://www.sua-sorte-online.com.br/interpretacao-do-i-ching/hexagramas/images/hexagrams/hexagram_43.png




IRROMPER

Do traço cego de uma flecha de cupido,
Ou nas incertezas do fogo ardente do anjo caído,
Eis que surge intrigante a dádiva determinante,
Se manifesta entre as velhas paredes da casa do hierofante.

O amor cavalga no unicórnio perdido na floresta,
Mulheres comem sua parte da maçã indigesta,
Os caminhos do silêncio se horrorizam com a canção,
Que prestam homenagens aos tolos, com grande devoção.

As águas salgadas escondem a vontade do tritão,
Bravos guerreiros misturam na terra o sangue do leão,
O Sol fustiga as pequenas gotas do mel celeste,
Jovens faunos brindam entre o carvalho e o cipreste.

Lá, na longínqua vila, no fim da existência,
Um velho mago faz magia do pó da consciência,
As nuvens se abrem para uma nova ideia,
Determinante para a humanidade em sua epopeia,

Translúcidos desejos se envolvem nos olhos da Medusa,
Mapeando o futuro do desejo que você não recusa,
No horizonte, os duendes ainda escondem potes de ouro,
Embaixo da ponte, onde os deuses revelaram seu agouro.

Elder Prior.
 


sábado, 1 de agosto de 2015

AS RAINHAS




AS RAINHAS

Vestia, seu vestido ornado de pedras e metais,
Alegrava, com sua beleza, a pureza das catedrais,
Um anjo que se fez, a rainha mais bela,
Carregando sua cruz, rainha pintada em aquarela.

Ao cair a tarde, ornada de alfazemas e rosas,
Exalava de seu corpo as fragrâncias apetitosas, 
Um anjo sensual, a rainha desejada,
Por todas canções de amor, você foi cantada,
Numa pintura renascentista, foi também detalhada.

No alvorecer, surge imponente de espada e escudo,
Beleza inteligente, pra deixar um homem mudo,
Um  anjo poderoso, a rainha que luta armada,
Escultura fantástica, por nações tão amada,
Em heavy metal, suas façanhas inspiradas,
Nas pinturas de Picasso, suas formas desalinhadas.

E na escura morada dos sonhos esquecidos,
Impõe sua forma nos leitos aquecidos,
Um anjo que vive em dois mundos distintos,
Uma joia rara, que aflora todos os instintos,
A escultura criou vida em seu corpo de silicone,
A música eletrônica ouvida em seu iphone,
Pinturas na parede, do Egito tornaram-se arte no grafite.
As quatro rainhas,
Copas, espadas, ouros e paus, em tudo o que existe. 

Elder Prior

domingo, 26 de julho de 2015

SANSÃO




SANSÃO

Eu tinha a força de mil leões,
Vivia um mundo cheio de ilusões,
Como se fosse um guerreiro imortal,
Com um poder nas mãos, que era fatal.

Mas como todo mundo tem uma fraqueza,
A Dalila dos meus sonhos, burlou com esperteza,
Meus pensamentos se perderam nos seus lábios,
Como sempre, enganando os sábios.

Fiquei cego, acorrentado aos meus vícios,
Aqueles que eu acreditava não ter indícios,
Somente acreditei quando o fel provei,
Burlando em minha fraqueza, a força da lei.

Derrubaste sobre mim o peso do mundo,
Um Atlas sem moral, um Sansão do pecado oriundo,
Perdido nos escombros de uma mente ferida,
Pelos beijos e abraços da minha Dalila querida.

Empurrei os pilares que sustentavam minhas ruínas,
As trombetas tocavam as várias obras divinas,
Escrevendo em minha tumba esquecida,
"Aqui jaz, mais uma alma iludida".

Elder Prior.

sábado, 18 de julho de 2015

PITONISA



PITONISA

Me perco em seu olhar que me hipnotiza,
Assim como a embriagues de uma pitonisa,
Que prevê em mim os anseios, o amor,
Fazendo com que minha face chegue ao rubor.

Como podes, me descrever tão fácil, em seu olhar,
Sabendo os desejos, que eu estou a te cobiçar,
Uma vontade que invade os sentimentos,
Que faz mudar a direção dos meus pensamentos.

Suas mãos macias e leves, me levam pro outro lugar,
Me tocas como se tocasse uma canção para sonhar,
Volto no tempo, outras eras, outras histórias,
Que com seus olhos, me faz trazer estas memórias.

Amores que se cruzam como a vida que estou imerso,
Ou como as palavras que se rimam num verso,
Transformando os momentos em belas canções,
Trazendo sempre as mais belas recordações.

Tudo já estava escrito nos oráculos do destino,
Mas sei que posso criar, um novo caminho defino,
Um caminho circular, para sempre, poder voltar,
Pela mesma vida de antes, poder novamente te amar.

Elder Prior.





quinta-feira, 9 de julho de 2015

A BARCA DO SOL




A BARCA DO SOL

A barca parou na beira do céu,
Onde a terra encobre o horizonte com o véu,
Preparando os lençóis de uma noite estrelada,
Abrindo mais uma vez a mente encarcerada.

E a barca me convidou para sair e viajar,
Pelos mundos distantes, que jamais pensei encontrar,
A barca que carrega a alma em sonho profundo,
Ou aquela que para o inferno, leva o mal do mundo.

Uma moeda ao hábil barqueiro,
Que atravessa a noite em seu caminho ligeiro,
Navegando com as almas pelas águas do Aqueronte,
Ou levando o Sol pela noite, para criar a aurora no horizonte.

Saio com meu traje de luz pra conhecer os universos,
Lugares maravilhosos que não caberiam em versos,
A barca vai parando em lugares desconhecidos,
Trazendo à bordo os que por Caronte foram escolhidos.

Somente vivem os que não temem a morte,
Porque sabem que dividirão a mesma sorte,
E que um dia, quando menos esperar,
Verá que é sua vez de no barco embarcar.

Elder Prior.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

ESPELHO MÁGICO




ESPELHO MÁGICO

Pelo espelho eu vejo, o passado e o futuro,
As coisas que deixei num beco escuro,
Pensamentos que eu tento concretizar,
Lá onde um dia ainda vou chegar.

Neste espelho vejo tudo o que quero ver,
A vida que se tornou uma triste saudade,
Ou aquela que só me trouxe felicidade,
Coisas que muitas vezes passam sem se perceber.

Seria um espelho mágico,
Se não fosse um tanto trágico,
De que adianta esta magia?
Neste mundo sem alegria!

Seria um bom espelho, se eu pudesse me ver,
Mas apenas vejo aquilo que eu não queria ser,
Nesta embalagem já desgastada pelo destino,
Me levando no fio da navalha, com seu corte muito fino.

Sangra-me em duas faces que se opõem,
Na distância que as imagens compõem,
Não há mais diferenças entre a mentira e o real,
Não há mais uma personalidade para ser leal.

Quem sabe quebrando o espelho em pedaços,
Quebre em mim a hipocrisia, os laços,
Que me prendem deste lado da realidade,
E eu mude de lado, para um mundo de felicidade.

Elder Prior.
 
 

 

sábado, 13 de junho de 2015

O SAL


                 
                                                                     MAR DE SAL - UYUNI - BOLÍVIA
                                                                      http://www.rutaverdebolivia.com
O SAL

A lágrima é um penar, o suor da alma,
Como um mar que mareja os olhos e acalma,
As ondas que se espalham dentro das emoções,
O sal do sangue que pulsa a vida nos corações.

Traz ao mundo a alquimia da criação,
Ao útero fértil o poder de uma paixão,
Um tacho de sortilégios, de feiticeiras apaixonadas,
Fervem a vida, cozendo a alma recém criada.

E o sal foi pisado, sobre as águas se andou,
Um deserto de sal no cume da montanha ficou,
Quem sabe um mar que mudou de lugar,
Ou, um dilúvio existiu, onde a água fez o mundo acabar.

Os homens em sua busca incansável,
Procurou reter a morte, devoradora insaciável,
Salgaram corpos para não se estragar,
Reis antigos tentaram a vida perpetuar.

Mas o sal pode perder seu valor,
E tornar-se insípido, sem sabor,
Perdendo de dentro de si, a vida,
Com uma lágrima, assinando a despedida.

Elder Prior.

quinta-feira, 11 de junho de 2015

TELÉSFORO




TELÉSFORO


Grande Prometeu, que traz a lamparina mágica,
Obedecendo a liberdade em consequência trágica,
Um Vulcano que tenta artimanhas mentais,
Porque a liberdade se alimenta do que faz.
 
O fogo se decompõe no ar para formar a água,
A humanidade une razão e sabedoria para criar a mágoa,
E na gestação a dor do parto se torna alegria e lágrima,
O amor das mulheres que a musa rima.
 
Na nona hora um último suspiro foi dado,
E numa cama de ferro, gigante de nove côvados,
Nove musas são as filhas de Zeus,
Nove vezes na Terra desceu Deus.
 
Nove entraram vivos nos céus,
Nos mistérios abrem-se nove véus,
Aquele que encontra sabe que existe,
Aquele que duvida, na penumbra insiste.

sexta-feira, 5 de junho de 2015

POÉTICA MUTAÇÃO - CONFLITO



CONFLITO

Eclodem lutas sangrentas entre a raça humana,
Que faz da sua delicadeza, uma atitude leviana,
Passa o tempo e parece que nada mudou,
As mesmas bandeiras, as mesmas armas, tudo ficou.

Talvez, por causa desta duplicidade cerebral,
Que mistura o anjo com uma parte animal,
Os conflitos se pesam dentro da consciência,
Os conflitos se ferem criando a falência.

Surgem heróis, mitos, grandes sábios, grandes mentes,
Que criam em benefício da humanidade e seus regentes,
Ideias novas que apaziguam a voracidade,
Criando um pouco de conforto e felicidade.

Surge malvados, sentimentos macabros, sementes do abismo,
Que criam sua regras, regendo tudo com cinismo,
Ideias do mal, que destroem a beleza,
Levando todos para o caminho da incerteza.

No final do tempo, termina o espaço,
As reticências querendo ser ponto, querendo se agrupar,
Os acentos se perdem num mundo escasso,
Onde o amor não se acentua, só se vê passar.



Elder Prior.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

POÉTICA MUTAÇÃO - INSENSATEZ JUVENIL





INSENSATEZ JUVENIL

Em sua confusão mental dizendo tolices,
Aprendendo nos erros de um campo de idiotices,
Regras criadas por ideias ultrapassadas,
Que no passado deveriam ter sido deixadas.

Um velho mendigo descobriu a fonte da juventude,
Tornou-se um jovem indigno e sem atitude,
Prefere guardar o que não é seu por direito,
Fazendo pessoas ignorantes lhe olharem com respeito. 

Vários diplomas, guarda em sua insensatez,
Uma jovialidade perdida em sua falta de lucidez,
Criando disciplinas que de nada serviram,
Algumas, nas curvas do tempo resistiram.

Levantou-se desta vida de ignorância confusa,
Onde se prende ao passado e o futuro acusa,
Como se não existisse nada de bom no que surge,
Pena de ti, pois, o fim de suas ideias urge.

O movimento do mundo não espera quebrar sua crosta,
As migalhas do que passou está na mesa posta,
O destino te pesa sem pratos na balança,
Cega, a Justiça rege o que chamas de lembrança.

Elder Prior.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

POÉTICA MUTAÇÃO - O CRIATIVO




O CRIATIVO


Rompendo as barreiras do som, tornando-se luz e vida,
Pelos raios e seus dragões, viajando pelo céu escondida,
Soprando no vento sua energia de criação,
Penetrando na natureza, nas almas, no coração.


Descendo pelas paisagens, no simples ato de criar,
Que nada mais é, do que a ânsia de amar,
Um Dionísio embriagado, seduzido pelo desejo,
Uma Ninfa, uma taça de vinho, o carinho de um beijo.


O tempo liberta a criação pelo espaço inexplorado,
Trazendo em seu amor o olhar do apaixonado,
E o mundo se torna a grande amante esperada,
Abrindo-se à paixão como uma rosa perfumada.


A luz impregna toda a força da canção,
Entre os bardos alcoolizados, entre os monges em oração,
Dançarinas da beleza que se espalham entre as flores,
Espelhando entre elas as sutilezas dos odores.


E a criação continua em seu caminho ao além,
Entre o "faça-se luz" divino e a crença do "amém",
Num namastê exótico em que Deus está em tudo,
Em que tudo é o Tao, entre o Shiva agitado e o Buda mudo.


Elder Prior.

POÉTICA MUTAÇÃO - O RECEPTIVO




O RECEPTIVO


Prepare a sua alma e o seu coração apaixonado,
Para ouvir a voz do vento dizendo: "Estou acordado",
Receba a parte de sua vontade querendo respirar,
Refazer suas asas e reaprender o ato de voar.


O velho corpo de barro ressecado espera o fogo do dragão,
Na forja dos ciclopes, entre os fornos sagrados do ancião,
A serpente se contorce para morder a maçã,
O bem e o mal escondido nos quitutes da anciã.


Onde está a ilha escondida da grande senhora?
Trazendo o poder criativo em seu útero, esperando a hora,
O momento em que o céu encontra a terra sagrada,
Fazendo da incerteza uma eterna aliada.


O filho está para nascer uma vez mais,
Uma nova consciência para libertar os ancestrais,
Da certeza que a verdade estaria tão escondida,
Enquanto a realidade se ilude com o caminho da vida.


Quem sabe a humanidade cospe fora o veneno engolido,
E que a água viva seja agora o antídoto deglutido,
Enquanto a raça vil se perde no caminho infernal,
A nova consciência livrará o homem do pecado original.


Elder Prior..

segunda-feira, 4 de maio de 2015

VIDA LUDICA




VIDA LÚDICA

A vida é um jogo de princípios e fins,
Meios pelos quais buscamos a essência lúdica,
Erros e acertos que são analisados pela sorte,
O livre arbítrio de seguir o caminho penoso.

A harmonia se esconde entre as asas dos anjos,
Que brigam pela sua alma vazia de ideias,
Buscando coisas fúteis em pensamentos inúteis,
Um dia atrás do outro sem perdão para a consciência,
Que esbarra na ciência criada para explicar Deus.

Jogam-se os dados da roda da fortuna,
Na arte da guerra do tabuleiro de Xadrez,
Uma vida de conflitos explicados nas cartas de Tarô,
O poder de pedra e a força para levantar a Runa.

Intrigantes intrigas povoam sua mente,
Um Maha Lila de espadas e serpentes,
Anjos do bem e do mal na balança universal,
Velas lúdicas indicam o jogo no castiçal.

A vida é um jogo com princípio e fim.

Elder Prior.

terça-feira, 14 de abril de 2015

AMOR ETERNO




AMOR ETERNO

Acordando e realizando um novo diA,
Montando nos raios do sol que me aqueceraM,
Onde a brisa se envolve nas ondas do riO,
Renascendo da penumbra perdida no amanheceR.

Enfileirado pelas ideias que num canto se esquecE,
Ter novas esperanças como um novo MagnificaT,
Em busca de um salvador que ninguém mais entendE,
Rasgando as aparências para algo bem maioR,
Nas buscas infinitas pelo começar de um novo AeoN,
O tempo nos mostra e aponta que finito é o UniversO
.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

BELA FADA



BELA FADA


Quando eu te conheci, dançando entre as flores do jardim,
Ao som da flauta de bambu, um sopro soando sem fim,
O balé das fadas sincronizando os raios solares,
As musas dançam valsa mágica com seus pares.



E você estava tão linda em seu traje de jasmim,
Saltitando entre meus olhos, pulsando dentro de mim,
Nos passos de outra dança, em que você apareceu,
Nos meus lábios pousou e num beijo se escondeu.



E o tempo passa onde há a eternidade,
A juventude já foi um dia minha idade,
Sinto saudade do seu bailado entre as flores,
Espalhado, sorrindo e dividindo as cores.



Mas a eternidade sempre sorri para a felicidade,
Quando o amor se confunde com a fidelidade,
Passar os momentos que ninguém jamais passou,
Relembrar histórias que o destino nos contou.



E assim foi um dia, na eternidade de sua companhia,
Que levo em meu peito no caminhar do dia,
O início desta história linda,
Esperando sempre, que seja minha bela fada ainda.



Elder Prior.

terça-feira, 7 de abril de 2015

MORPHEU




MORPHEU

Aquilo que parece tão real, é tão irreal,
Que passa pela vida, que se torna ideal,
Manchado pela aparência de uma verdade,
Se ofuscando nos espelhos da realidade.

Aquilo que parece ser, mas que não é,
Um produto mental, substância da fé,
Criaste um mundo plano e sem cantos,
Escondeu sua vida e seus encantos.

Aquela verdade que te fizeram acreditar,
Porque um velho antigo um dia ousou falar,
Os testes da ciência comprovam o incerto,
Deixando teorias, filosofias, questões em aberto.

O que te escondem atrás das grossas paredes?
Atrás deste jogo intrincado formado por redes?
Onde prendem sua mente não te deixando pensar,
Você jamais descobrirá qual é o seu lugar.

Dorme! Ó sonolenta alma desnuda!
Enquanto a sapiência prefere você muda,
O segredo da Esfinge jamais será revelado,
Pobres almas! Sonham com o príncipe encantado!

Elder Prior
 

domingo, 5 de abril de 2015

TIC TAC





TIC TAC

Ergueu-se para a sombra refletida no espelho,
Viu da escuridão escorrendo seu sumo vermelho,
Cortou uma maçã em pedaços fartos,
Rezou para a santa padroeira dos partos.

Olhou no berço o jovem leão coberto de pó,
Chorando por companhia, deixado num canto, só,
Beijou o menino como se fosse um rubi da romã,
Dando paz ao atormentado, como se fosse sua irmã.

Ergueu-se para olhar o Sol que em sua rua desviou,
Enamorou-se pelo dourado que em sua vida se infiltrou,
Na união saudável entre o doce e o salgado,
As maravilhas do mundo deste sabor degustado.

Olhou-se pela fresta da porta que se fechou,
Sentindo medo de tudo aquilo que lhe restou,
Criaturas noturnas que lhe assombram a noite,
Utilizando suas palavras e atos de acordo com o açoite.

Se entregando de corpo e alma ao nascer,
Que no iluminar da vida busca o amanhecer,
Deixando a penumbra do passado sem paisagem,
Para criar nos números do cronômetro uma nova imagem.

Elder Prior...

TIC TAC

Ergueu-se para a sombra refletida no espelho,
Viu da escuridão escorrendo seu sumo vermelho,
Cortou uma maçã em pedaços fartos,
Rezou para a santa padroeira dos partos.

Olhou no berço o jovem leão coberto de pó,
Chorando por companhia, deixado num canto, só,
Beijou o menino como se fosse um rubi da romã,
Dando paz ao atormentado, como se fosse sua irmã.

Ergueu-se para olhar o Sol que em sua rua desviou,
Enamorou-se pelo dourado que em sua vida se infiltrou,
Na união saudável entre o doce e o salgado,
As maravilhas do mundo deste sabor degustado.

Olhou-se pela fresta da porta que se fechou,
Sentindo medo de tudo aquilo que lhe restou,
Criaturas noturnas que lhe assombram a noite,
Utilizando suas palavras e atos de acordo com o açoite.

Se entregando de corpo e alma ao nascer,
Que no iluminar da vida busca o amanhecer,
Deixando a penumbra do passado sem paisagem,
Para criar nos números do cronômetro uma nova imagem.

Elder Prior...

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=290681 © Luso-Poemas
TIC TAC

Ergueu-se para a sombra refletida no espelho,
Viu da escuridão escorrendo seu sumo vermelho,
Cortou uma maçã em pedaços fartos,
Rezou para a santa padroeira dos partos.

Olhou no berço o jovem leão coberto de pó,
Chorando por companhia, deixado num canto, só,
Beijou o menino como se fosse um rubi da romã,
Dando paz ao atormentado, como se fosse sua irmã.

Ergueu-se para olhar o Sol que em sua rua desviou,
Enamorou-se pelo dourado que em sua vida se infiltrou,
Na união saudável entre o doce e o salgado,
As maravilhas do mundo deste sabor degustado.

Olhou-se pela fresta da porta que se fechou,
Sentindo medo de tudo aquilo que lhe restou,
Criaturas noturnas que lhe assombram a noite,
Utilizando suas palavras e atos de acordo com o açoite.

Se entregando de corpo e alma ao nascer,
Que no iluminar da vida busca o amanhecer,
Deixando a penumbra do passado sem paisagem,
Para criar nos números do cronômetro uma nova imagem.

Elder Prior...

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=290681 © Luso-Poemas

quarta-feira, 11 de março de 2015

ARCO ÍRIS





Arco Íris
 
O grande arquiteto de Odin desenhou sua arte,
Com o carvão da terra encantou uma parte,
Deixou outra para as cores vindas da luz,
A escuridão do deus Loki ao inferno às conduz.


Prometeu decidiu descer pelas escadarias,
Não quis em sua jornada ir de mãos vazias,
Com fogo iluminou o caminho celeste,
Onde foi dito que o anjo de pureza se veste.


Por trás das nuvens os corvos ouvem o murmúrio do vento,
Os pensamentos dos que se perdem no julgamento lento,
Esperam as águas baixarem para um pacto criar,
Entre o céu e a terra, onde poucos ousam pisar.


E na procura pelo verdadeiro caminho,
Descobre o Sábio que não está sozinho,
E mesmo a maldade o leva pelo caminho colorido,
No Arco Íris da verdade e no tempo perdido.


Elder Prior.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

ENAMORADO




ENAMORADO

Cortando o cordão umbilical com a Terra,
Ligando suas maquinas de fazer dinheiro e a motosserra,
Um filho bastardo que ousa usar o carinho materno,
Para transformar o mundo num pedaço do inferno.


Cria a criatura vampira que se esconde em sua ganância,
Esquecendo momentos felizes que já viveu na infância,
Quando era apenas um filho à procura de colo,
Hoje, corre por todos os lados extraindo suas entranhas, perfurando o solo.


E a velha mãe deixada de lado está se tornando caduca,
Mas dizem que tanta ignorância também age e educa,
Os velhos seios ainda sustentam os que mamam os últimos suspiros,
E os antigos sábios se apressam em se esconder nos retiros.


Está próxima a separação do cordão umbilical,
Que nos separa deste mundo e do mundo espiritual,
O que será de Gaia quando for separado o cordão?
O que será do Homem dentro dessa imensidão?


Elder Prior.

SIGMATA DIABOLI



SIGMATA DIABOLI

Você não sente mais nada,
Suas veias já não sangram,
Sua vida passa, sua percepção não enxerga.

Está focalizada no vai e vem da rotina,
No girar dos ponteiros do relógio.


Você não sente amor,
Seu coração bate acelerado com os energéticos,
A vida corre em busca de uma fuga feliz,
Deixando um rastro pútrido de cicatrizes.


Ferimentos abertos, cobertos de cinzas,
Daquilo que um dia foi Fênix, hoje sombras.


Você não sente perdão,
Sua mente se focalizou em buscar a culpa,
E todos são culpados de sua infelicidade.


Enquanto a felicidade continua escondida,
No mesmo lugar que você a encarcerou. 


Busca sinais que possam dizer que algo mais existe,
Enquanto a vida pulsa na inteligência que rege o universo,
Um verso que nunca se acaba, uma luz que não se apaga,
Uma tempestade de ideias que culminam no despertar do Sol.

Enquanto sua mente vive na escuridão enriquecida pela histeria,
Vivendo na mente daquilo que construíram e dizem ser verdade.


Elder Prior.