sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

PEDRA FILOSOFAL




PEDRA FILOSOFAL 

O cristal fundiu-se, no meio do nada surgiu,
O coração se queimou, o mau espírito fugiu,
As sombras se levantaram entre os lençóis,
Os sons emanaram dos caracóis.

O mercúrio tentou transformar chumbo em ouro,
Por aquele homem, indecifrável em sua roupa de couro,
Entre ácidos e soluções, sem resposta real,
Buscando entre a fuligem, a pedra filosofal.

Em sua mente, pende a pedra pineal,
Loucura ou paixão, por mais um ideal,
O conhecimento lançado entre as chamas.
Oh, clérigo!
Isto que religião chamas?

E aquele que viu, escondeu para não enxergar,
Como os que viajaram sem rumo ao navegar,
Pagando suas moedas ao barqueiro do inferno,
Criando dívidas, dúvidas, num padecer eterno.

Elder Prior

Nenhum comentário:

Postar um comentário