terça-feira, 26 de agosto de 2014

A POÉTICA MUTAÇÃO - INCITAR




E o Dragão surge da noite escondida,
Entre nuvens carregadas de vida esquecida,
Quimeras guardadas nas cavernas enlameadas,
Onde Adão surgiu da terra imaculada.

O raio incita as sementes escondidas,
Do lodo se excitam as raízes preferidas,
Negando o dom de nascer aos ramos esquecidos,
Onde a luz não chegou com seu olhar, não foram aquecidos.

Ergue a espada o grande guerreiro do Templo,
Cortando em batalhas as marcas que sobrevivem o tempo.
As migalhas que restaram das grandes vitórias,
Que as mentiras espalhadas transformaram em glórias.

O monge em seu Tantra se eleva na imensidão,
Buscando o infinito e o nada em seu coração,
Aprendendo entre os elementos sua lição,
Erguendo-se ao universo em sublime canção.

Vai o homem em seu apetite por algo além,
Onde o tudo e o nada não pertencem a ninguém,
Foge de sua compreensão a eterna visão,
De algo que ultrapassa sua ideia de criação.

Elder Prior

Um comentário:

  1. Na falta de melhores palavras para comentar este Poema, permita-me repetir seus últimos versos:
    "Vai o homem em seu apetite por algo além,
    Onde o tudo e o nada não pertencem a ninguém,
    Foge de sua compreensão a eterna visão,
    De algo que ultrapassa sua ideia de criação."
    Um grande abraço, Elder!

    ResponderExcluir