sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

PEDRA FILOSOFAL




PEDRA FILOSOFAL 

O cristal fundiu-se, no meio do nada surgiu,
O coração se queimou, o mau espírito fugiu,
As sombras se levantaram entre os lençóis,
Os sons emanaram dos caracóis.

O mercúrio tentou transformar chumbo em ouro,
Por aquele homem, indecifrável em sua roupa de couro,
Entre ácidos e soluções, sem resposta real,
Buscando entre a fuligem, a pedra filosofal.

Em sua mente, pende a pedra pineal,
Loucura ou paixão, por mais um ideal,
O conhecimento lançado entre as chamas.
Oh, clérigo!
Isto que religião chamas?

E aquele que viu, escondeu para não enxergar,
Como os que viajaram sem rumo ao navegar,
Pagando suas moedas ao barqueiro do inferno,
Criando dívidas, dúvidas, num padecer eterno.

Elder Prior

MARGARIDA





MARGARIDA

Oh, Margarida!
Porque estas tão triste?
Já, ninguém tem mais olhos para ti?
Onde foi que perdeste tua beleza?
Transformando suavidade em aspereza?

Oh, Margarida!
Que um dia enfeitaste o jardim,
O que aconteceu com sua luz, com sua cor marfim?
Te procuram pelos cantos e não encontram mais,
As canções se esqueceram de ti, já não satisfaz.

Quem sabe se alguém, ainda vê em ti, amor,
Uma chispa de claridade, lhe dê valor,
Aquele que um dia juraste ter no coração,
Que, como todo canto, era ilusão.

Agora, tornou-se planta de plástico,
Formando buquês, presa com elástico,
Enfeitando o concreto de shoppings e passarelas,
Sua tinta se perdeu, fugiu das aquarelas.

Oh, Margarida!
Quem sabe um dia seja feliz,
Retire de suas pétalas, esta vontade que diz:
"Fui feliz e não sabia! Quando o Sol clareava meu dia"
Quando o dia acabava e você ainda sorria.

Elder Prior 

GIRASSOL


GIRASSOL


Em seu mundo solitário em busca de luz,
Ninguém entende seus gestos, sua cruz,
Gira o mundo procurando o Graal sagrado,
Mal sabe ele, que no coração está guardado.

Suas sementes se espalham pelo horizonte,
Sua energia alimenta, pois, vem da fonte,
Esta fonte que agrada todos em proporção igual,
Do homem dito civilizado, ao que vive em condição tribal.

E vai ele, o girassol dos mundos sagrados,
Correndo, estacionado, procurando aliados,
Pássaros, almas, querem um pouco da verdade,
Transformar o mundo, buscar a felicidade.

Suas pétalas coloridas, áurea, aura, límpida,
Se espalha pelo chão, com o grão e a chuva,
Nas águas, nos cristais, na neve, pureza vívida,
Acariciando com luz os belos cachos de uva.

No horizonte está seu caminho, no entardecer,
Chamando a hora do mundo se recolher,
Resgatando suas forças para outro amanhecer,
Camponeses, moradores de cidades, natureza, irão agradecer.

Elder Prior
 
 

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

UMA VOZ SUTIL




Uma voz sutil que toca a alma,
Naquele momento em que a mente se acalma,
Que foge do barulho das grandes cidades,
Que ultrapassa as perspectivas das idades.

Escondida no meio de tanta agitação,
Que acalma ou precipita o coração,
Fazendo do santo um guerreiro,
Que corre em busca do golpe certeiro.

O grande mago negro em sua imperfeição,
Cai por terra entre a voz e a visão,
E descobre no silvo da serpente a canção,
Fantasia desenvolvida em sua ilusão.

E a voz sutil lhe chama do sono vital,
Lhe mostrando que existe algo mais, além do portal,
Aquele que hesitamos em passar, evitando a sorte,
Um caminho sem encruzilhadas, evitando a morte.

Elder Prior
 

terça-feira, 9 de setembro de 2014

A POÉTICA MUTAÇÃO - A QUIETUDE




A QUIETUDE

A quietude avança pelo mundo humano,
Tomando o movimento do ar insano,
Que faz a vida viver e surgir do escondido,
Da alma, da terra, do ramo escolhido.

Dança o rabino em sua dança quase autista,
Que faz da quietude a maior obra do artista,
Faz o homem buscar em seu instinto básico,
A quietude da mulher e seu orgasmo mágico.



O universo semeia a mente dos pensadores,
Que buscam no infinito o elixir de suas dores,
E a quietude esconde a preciosidade da verdade,
O limite da aurora, entre ilusão e realidade.

O futuro é a quietude do que semeamos,
Aquilo que fizemos e o que nos tornamos,
O caminho que leva para a antiga questão,
Porque vive o homem? Qual a razão?

Mas a ciência supera a antiga ciência,
Mostra ser verdadeiro o que era demência,
Só nos resta esperar que o futuro apareça,
Na quietude mais intima de nossa cabeça.

Elder Prior

domingo, 7 de setembro de 2014

A POÉTICA MUTAÇÃO - DESENVOLVIMENTO GRADUAL








Desenvolvimento Gradual



Quem acredita que pode ter as coisas rapidamente,
Não entendeu que é necessário primeiro, plantar a semente,
Mesmo que o mundo pareça tão rápido caminhar,
Acredite, é necessário primeiro parar e semear.


Enquanto turbilhões de pessoas vivem em seu corre-corre,
A vida nasce, se transforma pelo espaço e pelo tempo, morre,
Enquanto pedras, astros, átomos, árvores, animais, mudam,
A humanidade acha que apenas de seus corpos desnudam.


E o desenvolvimento gradual continua pelo mundo,
Se espalhando, de um lugar primordial oriundo,
A luz e a escuridão se mesclando, se amando,
Fazendo com que tudo continue em seu caminho, andando.


Não apresse o rio, já disseram um dia,
A pressa é inimiga da alegria,
Como ter tempo para apreciar a liberdade?
Se a corrida pela realidade é a vida da humanidade?


Enquanto os escravos se escravizam,
As coisas se desenvolvem gradualmente.


Elder Prior

A POÉTICA MUTAÇÃO - PROVER ALIMENTO



                                                 






                                                   PROVER ALIMENTO




                              Tudo que se fala nem sempre é o que se pensa,
                                Mas tudo que se fala gera uma reação,
                          Não interessa a quem o pensamento pertença,
                          Que sempre tocará fundo dentro do coração.



                        Tudo o que se come nem sempre é o que alimenta,
                              Mas tudo que se come gera uma reação,
                          Não interessa de onde provém tua alimentação,
                            Ela sempre fará parte de sua constituição.



                             Nada do que se fala deve ser desperdiçado,
                               Com dizeres inúteis ou palavras malditas,
                                Devemos saber o que esta sendo falado,
                               E não tagarelar as palavras que são ditas.



                             Nada do que se come deve ser envenenado,
                              Com químicas inúteis ou sabores malditos,
                               Devemos saber o que está sendo comido,
                      E não se empanturrar fazendo do comer os seus ritos.



Elder Prior
                       

terça-feira, 26 de agosto de 2014

A POÉTICA MUTAÇÃO - INCITAR




E o Dragão surge da noite escondida,
Entre nuvens carregadas de vida esquecida,
Quimeras guardadas nas cavernas enlameadas,
Onde Adão surgiu da terra imaculada.

O raio incita as sementes escondidas,
Do lodo se excitam as raízes preferidas,
Negando o dom de nascer aos ramos esquecidos,
Onde a luz não chegou com seu olhar, não foram aquecidos.

Ergue a espada o grande guerreiro do Templo,
Cortando em batalhas as marcas que sobrevivem o tempo.
As migalhas que restaram das grandes vitórias,
Que as mentiras espalhadas transformaram em glórias.

O monge em seu Tantra se eleva na imensidão,
Buscando o infinito e o nada em seu coração,
Aprendendo entre os elementos sua lição,
Erguendo-se ao universo em sublime canção.

Vai o homem em seu apetite por algo além,
Onde o tudo e o nada não pertencem a ninguém,
Foge de sua compreensão a eterna visão,
De algo que ultrapassa sua ideia de criação.

Elder Prior

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

A POÉTICA MUTAÇÃO - RENASCER



                                            RENASCER

Osíris renasceu de seus pedaços divididos,
Nas más intenções de seu irmão enfurecido,
Pelas mudanças que a luz traz à vida,
Seja mudança explícita ou atrás dos véus escondida.

O Cristo renasce da maldade humana,
Crucificado na vergonha da mente insana,
Temendo que seus gigantescos templos fossem ao chão,
Mas a Torre de Babel se proliferou desde então.

A bela Fênix das cinzas ressurgiu,
Trazendo em suas asas o poder da ciência,
Porém, faltou ao ser humano livrar-se da demência,
E tudo se tornou tão pobre que o fogo sumiu.



E olha o Sol, que renasce todo amanhecer,
Em seu caminho alimentando os que estão a nascer,
Com sua luz que penetra as penumbras do solo,
Apagando a luz do ancião, e nutrindo a criança de colo.

Eis a humanidade, em sua vida espiritual,
Buscando ser deus, deixando de ser animal,
Unindo os pedaços para crucificar o passado,
Alimentando a consciência, das cinzas, de um ser alado.

Eis o verdadeiro Ser humano.

Elder Prior

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

A POÉTICA MUTAÇÃO - REVOLUÇÃO



                                         REVOLUÇÃO

Continua a humanidade em seu caminho de revolução,
Procurando entre os espaços algo como solução,
Mas parece que não existe nada para apaziguar,
A guerra de pensamentos a se realizar.

Vieram os pensadores para revolucionar idéias,
Outros eram inventores em suas mágicas odisséias,
Com artifícios que criavam um mundo irreal,
Buscando ser um deus, um ser ideal.

Mas ficaram as cascas, os restos de nossa ânsia,
As grandes construções de enorme elegância,
Que o tempo teima em transformar em pó,
Numa estátua de sal como a mulher de Ló.


A revolução continua em seu moinho eterno,
Dia e noite, primavera, verão, outono e inverno,
Almas que fingem entender o que é a vida,
Passam correndo pela juventude destemida,
E quando enxergam, já é tarde, anoitece,
O mundo é revolução e sua vida padece,
No fim que todo mundo criou,
Um ponto final que a humanidade colocou.

Elder Prior
 

domingo, 27 de julho de 2014

FELICIDADE DE AMAR






FELICIDADE DE AMAR

Tanto tempo se passou, parece que nem foi tanto,
Parece que o tempo parou, se encantou no seu encanto,
As coisas do mundo de fora não acompanham,
As palavras que na saudade se banham.

E no crepúsculo do tempo, vejo você tão linda,
Que vinha ao meu encontro, sem saber ainda,
Que as aulas barulhentas de bateria,
Não era tudo o que você queria.

Eu construí muros, com tijolos desenhados,
Te prendendo entre telas de terreno dominado,
E o que era música se tornou verso e dança,
O que era juventude se tornou uma aliança.

Me deste em troca as mais belas obras criadas,
Pelo teu sorriso e tua genialidade, premiadas,
Obras que superaram os criadores e seus cinzéis,
Coloriram a vida com outros pincéis.

Mas o tempo passa, mesmo sendo eternidade,
Deixando em seu rastro as marcas da saudade,
De um tempo que vivíamos nossa jovialidade,
Deixando o eterno fluir em sua ansiedade.

Tocam ainda as velhas canções da memória,
Recordações que viraram história,
Quem sabe um dia possamos contar,
Aos nossos netos, a felicidade de amar.

Elder Prior

domingo, 13 de julho de 2014

BANDEIRAS HEROICAS





BANDEIRAS HEROICAS
Colocaram bandeiras heroicas em todo lugar,
Marcaram seus territórios, em terra, em mar,
Com ideias nacionalistas criaram seus muros,
Com sua política patriota e regimes duros,
Fizeram surgir o medo da diferença,
E da diferença, a pátria e sua crença.
Mas para o lucro certo não existe nação,
Colocam seus tentáculos no meio da multidão,
E os cordeiros seguem, hipnotizados para o abate,
Olhos minuciosos, mídia sanguinolenta, vencendo o jogo,
Xeque mate!!!
As fronteiras se estendem na mente corroída,
Se digladiam no front, uma passagem só de ida,
Enquanto os lucros mancham a terra de vermelho,
Não se vê rostos estampados no espelho,
A multidão aceita o governo e vendem seu amor,
Por alguma bandeira que sempre trouxe dor,
Orgulho de ser mais um na estatística da morte,
Mais um que fugiu do limiar da sorte.
Os bancos se espalham junto com seus nomes divididos,
Nomes fictícios para lucrar com a escravidão do povo falido,
Que se maravilha com as artimanhas de grandes invenções,
Se perdendo em sua ilusão, com suas letais injeções.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

O OLHO




O OLHO

Eu sou o olho que tudo vê,
Percorro seu mundo, escravizo você,
Sei quais são seus delirantes desejos,
Onde sua mente fraca pode ma aceitar.

Enxergo as verdades em suas mentiras,
Os retalhos de sua alma feita em tiras,
Carrego a mente coletiva da humanidade,
Que acredita na ilusão, achando ser a realidade.

Alimento seu ego com tecnologias absurdas,
Abro seus tímpanos, mentalidades surdas,
Grito plalavras de ordem e escravidão,
A besta do Abismo, uso como escrivão.

Eu sou o olho que tudo vê,
Correntes arrastadas, açoites invisíveis,
Atendo seus desejos profundos,
Escondidos nos cantos mais imundos.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

MULHER BELA


MULHER BELA

Um dia você surgiu entre a névoa das brumas,
As corujas cessaram o pio, foram jogadas as runas,
O sortilégio dizia: um amor impossível.
Um ser nem vivo, nem morto, no espelho, invisível.

Mas era linda como a noite de lua cheia,
Sua voz em melodia com um canto de sereia,
Em tua pele fria o calor do amor eu sentia,
Mas tu fostes embora antes do raiar do dia.

Quem seria aquela mulher tão bela?
Que carregava em suas mãos uma vela?
Olhou em meus olhos como se olhasse minha alma,
Pegou minhas mãos, olhou minha vida na palma.

Porque tu se escondes? Perguntou com tristeza,
A sabedoria não vem de nenhuma riqueza,
As uvas secaram e não se tornaram vinho,
As cordas desafinadas racharam o corpo do pinho,
E neste caminho só encontrará o final,
Quando tua alma se livrar de todo seu mal.

domingo, 15 de junho de 2014

MOTO PERPETUO - AGORA


AGORA

Agora que você já destruiu palácios,
E construiu ideias para pescar ilusões,
Termine o prazo de sua idiotice,
Rasgando o véu que cobre teu rosto,
Sopre o vento gelado que lhe petrifica a alma.

Espere o mormaço quente de uma nova estação,
Sorria ao ver seu rosto pálido no espelho,
Querendo lhe dizer que existe ainda algo que vive,
Que resplandece dentro do coração ferido,
Se tornando as asas que farão o voo pelo infinito,
Olhando ao longe as estrelas do universo,
No ritmo das esferas escrevendo versos.

Elder Prior

domingo, 18 de maio de 2014

MOTO PERPETUO - A RETORTA



A RETORTA

Sangrentas batalhas dilaceram a podridão,
O Tritão fugiu do mar, para dentro do coração,
Sereias cantam canções aos velhos marinheiros,
Procurando entre as ondas, seus mensageiros,
Mas os anjos não nadam em nada absoluto,
As fadas choram pela alegria em luto,
Terras dizimadas por ígneas formas,
Que teimam em criar, em uterinas fôrmas,
E os lábios silenciam a voz que se repete,
Dizendo em uma língua que consigo compete,
E no mais alto cume do horizonte infinito,
Está o passado, o presente e o futuro do que nunca foi dito.

Elder Prior

segunda-feira, 21 de abril de 2014

MUNDO SEM CANTOS, UNIVERSO SEM VERSOS




MUNDO SEM CANTOS, UNIVERSO SEM VERSOS

Rochas pétreas dilaceram o hepático Prometeu,
Com luneta mágica enxerga além, caolho Galileu,
Mundos esféricos, sem cantos, só encantos,
E se move entre a magia dos Santos.

Novas Terras, novos mundos habitáveis,
Novas crianças em condições insuportáveis,
Eu escondido entre o sangue da taça,
Rezando aos deuses. Que justiça se faça!

Mas deus anda surdo, ou será o contrário?
É a humanidade que dilacera seu diário?
Com letras mortas de lingua extinta na mentira,
Enquanto desesperada a Esperança se retira.

E ficam os donos do mundo, os donos do poder,
Atiram pedras nos corvos, Prometeu não pode prometer,
Além da Terra quadrada, em barra de ouro,
Entre vísceras comidas e o futuro vindouro.
 

domingo, 20 de abril de 2014

SUOR DA MADRUGADA



SUOR DA MADRUGADA

Olhando as estrelas no céu,
Procurando a luz da Lua, espalhada com pincel,
Encontrar novamente aquele olhar,
Novamente aquela boca encontrar.

A noite anda tão depressa quando quer,
Você demora tanto, corra se puder,
Meus braços estão prontos para abraçar,
Minha boca sorrindo, querendo te amar.

A relva cai na grama fina,
Úmida de orvalho, suor da madrugada,
Você está nua, ideias determina,
Cavalgando meu corpo, suave, aconchegada.

E vamos nós, por mundos distantes,
Procurando entre as estrelas errantes,
Um lugar que a vida não é tão dura,
E que o amor é uma manifestação pura.

Elder Prior.
@elderprior

 

terça-feira, 15 de abril de 2014

MUNDO DE VIDRO




MUNDO DE VIDRO

Tente por uma vez, sair do seu mundinho,
Tente pelo menos uma vez, caminhar sozinho,
Sem muletas de auxílio para andar,
Sem pessoas pra poder te carregar, no fraquejar.

Seja você somente, pelo menos uma vez,
E dizer com orgulho que os nós desfez,
Andou por caminhos ainda inimagináveis,
Por mares que nunca foram navegáveis.

Encontre a Quimera que habita em sua mente,
Os medos do escuro que você ainda sente,
Dome o dragão que ainda vive na Lua,
O Leviatã escondido em sua alma nua.

Fuja daquilo que dizem que você é,
Não seja um produto de alguma fé,
Que diz que deve ser uma marionete,
Que faz tudo aquilo que pedem, tudo repete.

quinta-feira, 3 de abril de 2014

INSATISFEITO




Vemos que nada anda como deveria andar,
Com a corja que invadiu a estrutura parlamentar,
Lais engavetadas em benefício de poucos,
A liberdade de expressão ignorada, gritos roucos.


Fico insatisfeito quando vejo tanta riqueza,
Sendo desperdiçada pelos mestres da esperteza,
Que visam apenas seus lucros exorbitantes,
Dane-se o padrão de vida de seus habitantes!

Fico triste em ver que parece não ter fim,
Como podemos viver numa situação assim?
Pena que a maioria acredita nestas mentiras,
Muitos acreditam no país das maravilhas.

Protestos acanhados e sem direção,
Que acabam em descaso quando chega a eleição,
Mudando a casca do mesmo ovo podre,
Colocando vinagre no velho odre.

Fico insatisfeito com toda esta miséria acumulada,
Entre os heróis dos gramados e a bunda da mulata,
Que são explorados, para nada se dizer,
Felicidade enganosa pra turista ver.

Elder Prior

segunda-feira, 31 de março de 2014

JUVENTUDE ZUMBI







JUVENTUDE ZUMBI

Eles querem te manipular eles querem te pegar,
Bebidas, drogas, ideias na TV, inversão de valores,
E a juventude sendo preparada para não pensar,
A juventude preparada para votar.

Eles querem te cegar, eles querem te enclausurar,
Escolas falidas, sistemas, ideias que não funcionam,
E a juventude sendo preparada para a escravidão,
A juventude preparada para a produção.

Tentam te mostrar um mundo maravilhoso,
Dizendo que você tem a liberdade para viver,
Até o ponto que não dê problema,
Até o ponto em que aceite o esquema.

Juventude zumbi, que não luta por nada,
Pelos direitos que tem, decididos na esplanada,
O gigante acordou com a fralda borrada,
E o país continua com a bunda cagada,
Invertendo valores, criando mentes vazias,
Onde a cloaca é que mais fala hoje em dia.

Elder Prior.

QUEIMANDO A ROSCA



QUEIMANDO A ROSCA

 A Rosca está aberta, o orifício,
Palanque internacional, grande comício,
Estão preparando o dedo pra enfiar na sua rosca,
Estão lavando dinheiro, queimando sua rosca.

Construíram várias roscas pelo país,
Donuts salgados, debaixo do meu nariz,
Mais um dedo na minha rosca, mais pão para o circo,
Enquanto o país caminho para a podridão.




Queimando sua rosca perto da eleição,
Vendendo ao povo mais um dedo na ilusão.

Enquanto a rosca lota de estrangeiros,
A Saúde e a Educação deixam órfãos os brasileiros,
E vão os dedos, deixam as mãos,
Modelando as roscas, queimando o futuro da nação.

Elder Prior.

domingo, 2 de março de 2014

A MORTE



A MORTE

Tudo está tão mudado, não vejo ninguém ao meu lado,
Coisas que eu dava valor, desapareceram, 
Da minha vida pereceram,
Já não resta nada do que fui,
A luz radiante se dilui,
E o anjo obscuro vem me olhar,
O seu afago me dar.

E na vida, corri atrás de grandes montanhas,
De distantes caminhos e atitudes estranhas,
Buscando coisas que, com o tempo se foram,
Situações que, com o entardecer cessaram.

E orgulhoso caminhava, como se fosse um monarca,
Jamais entendi que havia um tesouro na arca,
A caixa de Pandora não guarda só coisas indesejáveis,
Também existem coisas que se passaram, que são amáveis.

E o anjo da morte, com seu carinho incompreendido,
Faz de mim, um ser em mim renascido,
A ceifa cortou os ramos da obscuridade,
Para mostrar uma visão do que é a liberdade.

Já não ouço mais o sussurro do mal,
Com seus conselhos e seu afeto bestial,
A liberdade é renascer do inferno interno,
E descobrir que o espírito é eterno. 

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

VELHO PERGAMINHO






VELHO PERGAMINHO

Num pergaminho estava escrito uma canção,
Perdida no tempo, passou momentos de solidão,
Nas penumbras empoeiradas, ficou guardada no porão,

Cicatrizes marcadas, arrancadas de um coração.

Fugiu do tempo, mostrando que o amor é eterno,
Por mais que passe entre primavera, verão, outono e inverno,
E o Sol pelo Zodíaco acariciando as divindades,
Trazendo todo dia seus raios de felicidade.

O vento sopra a poeira, o poema recebe vida,
Nas letras encantadas pela tinta inserida,
Preenchendo o caminho com cheiro de amor,
Trazendo à vida, as ideias do compositor.

Onde estaria seus pensamentos neste momento divino?
Procurando amor e carinho do toque feminino?
Ou estaria perdido nas emoções que conheceu?
Que com muito capricho o passado escondeu?