sábado, 30 de novembro de 2013

CHUVA TRISTE







CHUVA TRISTE

A chuva cai lá fora,
Lágrimas do céu, nuvens em pranto,
Na solidão, pela janela, sozinho em meu canto,
Canto de saudade de tua voz nos ouvidos,
Seus sussurros, suas risadas, seus gemidos.

A garoa não quer parar,
Gotas úmidas que a alma refrigeram,
E o frio umedece os pensamentos que esperam,
Se apressam em buscar sua bela imagem,
Daquela fotografia de sua última postagem.

As folhas colheram seu pranto,
O pranto de quem longe ainda recorda,
E no coração triste, de amor transborda,
Sente a dor presa em seus sentimentos,
Riscando na alma, palavras e juramentos.

Caíste molhando o chão,
Não me levante da lama, não faça caridade,
Apenas deixe fluir com suavidade,
O lamaçal um dia estará verdejante,
Repleto de flores e pessoas de andar elegante,
Estarei na sombra de um velho Ipê,
Esperando outra chuva, esperando você.



Elder Prior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário