segunda-feira, 9 de setembro de 2013

ROSA DO JARDIM




ROSA DO JARDIM



Eras a rosa mais bela no meio do jardim,

Fazendo inveja às margaridas e ao canteiro de jasmim,

As abelhas em seu néctar de embebedavam,

Em sua beleza alucinavam.



E a rosa tornou-se tão bela que um dia alguém a apanhou,

Colocou-a em um vaso, solitária ficou,

Uma vida dentro da redoma que sua beleza criou,

Uma sorte que sua beleza raptou.



A beleza da rosa se exauriu pela água vazia,

Na tristeza agora, ela passava todo o dia,

Já não tinha mais o brilho que tinha na luz do Sol,

Sua alegria não alimentava mais a tristeza do caracol,



A rosa tornou-se apenas espinhos,

Onde as serpentes escolheram para fazerem seus ninhos,

O tempo de beleza se foi, e a água insípida acabou,

Nem beleza, nem odor, nem cor, nada adiantou,

Finalmente a morte chegou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário