quinta-feira, 25 de abril de 2013

OS PEDROS






OS PEDROS


Ele disse adeus à Deus, matou sua dor,

Saiu pelo mundo, em seu rosto a tristeza, 

Olhou os muros do hospital, não existia mais beleza,

Além do bem e do mal, nenhum valor.


Ele encarnou o não, escreveu com sua pena, a pena,

Um alvo alvo, para circular um circo de distrações,

Levando o inapto, buscar as ilusões,

Se quer faça, antes da noite serena.


Ainda esperam o Messias, em lamentações,

Ajoelhando num muro de ostentações,

Em nuvens de Glória, o disco voador se perdeu,

Na fumaça poluída, do ódio que se cometeu.


Eu aqui entre céu e inferno,

Dúvidas profundas do que parece eterno,

Porque tudo passa tão rápido com tanta mudança,

Preparando o palco para uma nova dança.


Mais um Pedro negando,

O galo ainda não está cantando,

E dizem que negar é admitir,

Que houve um dia, um deus encarnado a sorrir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário