quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

JUSTITIA





JUSTITIA

Todos sabem que a Justiça é igual para todos,
Mesmo para aqueles que vivem seus limbos, lodos,
É a vontade de dar a cada o que é seu,
Como em vários livros se leu.

Mas podemos dar mais do que é de direito,
Temos um amor fincado em nosso peito,
Que nos diz que a riqueza é uma dádiva,
Que só é dádiva quando supera a dívida.

Todos têm direito neste caminho tortuoso,
De encostar a cabeça num ombro amoroso,
Chorar seus erros, seus passados inglórios,
As contradições dos pensamentos simplórios.

A Justiça é imparcial, pronta para ser espalhada,
Desde o rico no terraço ao bêbado na calçada,
E o que é feito ou omitido jamais será apagado,
Numa eterna cadeia, num fim jamais encontrado.

A reparação ou remorso geram o perdão,
Está livre o coração, mas a alma não,
Por isso o amor é o grande remédio,
O único que recupera a alma do sacrilégio.

Justiça é recuperar tempo perdido,
Coisas criadas, um mal esquecido,
Somos os juízes de nossos atos,
Somos os nossos Pilatos.

Justiça é Amor incondicional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário