quinta-feira, 8 de novembro de 2012

CARTAS DE AMOR - LUA ENCOBERTA





LUA ENCOBERTA

Suas fases que inundam minh'alma,
Trazendo nas ondas uma paixão que acalma,
Os sentidos que sentem não sentir,
Porque já não sabem pra onde ir.

As idéias se perdem no oceano mental,
Como um gás inodoro, cômodo e letal,
Que rejeita a vida como consolo à morte,
Desejando ao próximo uma melhor sorte.

Na garganta o gosto sagrado da terra bruta,
O cheiro da Primavera, sagrada e ardil prostituta,
Megera que envenena os corações da solidão,
Sangrando os amores da humilde emoção.

Aquilo que fui, um dia com a Lua se desvaneceu,
Um coração liberto do que nunca mereceu,
Rondando entre portas fechadas, fachadas trancadas,
Das coisas que nunca puderam ser realizadas.

Dorme a Lua entre os escombros da Noite.

Nenhum comentário:

Postar um comentário