terça-feira, 31 de julho de 2012

NOITE SILENCIOSA





  NOITE SILENCIOSA


   Ouvindo entre as árvores os murmúrios daqueles que não se vê,
   Redigindo palavras para quando o amor chegar,
   É você invencível com a luz em suas mãos,
   Ninguém ao seu lado para aplacar sua solidão.


   A noite é luminosa, no horizonte surge a lua,
   A luz invade a floresta e as fogueiras estão acesas,
   As bruxas festejam, o eremita caminha, e o amor se consuma,
   A relva macia se enche de frescor com o hálito do vento.



   Brigit! Brigit! Alguém brada na noite tão linda,
   Esperando sentir o amor, a lua e a magia da luz,
   Brigit! Brigit! Alguém clama para que seja ouvido,
   Mas apenas se ouve o crepitar do fogo.



   Das cinzas surge um nome,
   Do nome surge um amor,
   Do amor surge um momento,
   Do momento surge a hora derradeira,
   De na noite luminosa o dia chegar,
 


   E continua o brado no meio da floresta,
   Até que os sons do alvorecer calam as lamúrias da paixão,
   Está novamente só, com a sua triste solidão,
   Esperando mais uma vez o despertar da noite luminosa.
               

Nenhum comentário:

Postar um comentário