terça-feira, 17 de julho de 2012

CAVALO BRANCO


                                                                   


                                                                 CAVALO BRANCO
                                        Eu vi um Cavalo branco preso na parede,
                                        De sua musa inspiradora, deitada em sua rede,
                                        Mudando de cor, pelo amor dos tons da luz,
                                        Imaginando onde a nossa mente nos conduz.

                                       Cavalgar por toda noite em seu colo alvo lunar,
                                       Onde todos os pecados desejo confessar,
                                       Mas o que é pecado no espinho da rosa?
                                       Um detalhe que não a deixa menos cheirosa.

                                       De dia, as luzes fazem seu colo dourar,
                                       Como os cachos dos cabelos, deliciosos de alisar,
                                       Onde mais teria um pelo tão lindo?
                                       A imagem procura o caminho que está indo.

                                      E o Cavalo sai da parede, voa o Pégaso lindo,
                                      Um Unicórnio sem chifre, uma mensagem seguindo,
                                      Cavaleiros do Apocalípse querem te conquistar,
                                      Artur e a Távora redonda querem te desfrutar.

                                     Vai Cavalo branco! Vai pelo caminho da vida!
                                    Sai de sua prisão na parede, para a liberdade requerida,
                                    Jamais olhe para trás para não virar estátua,
                                    Quantos gostariam de agarrar sua espádua?

Nenhum comentário:

Postar um comentário